Seguidores

terça-feira, 29 de março de 2016

O sentir sente-se.
Não obedece a montagens nem a artifícios.
Cegos pela vã luz da vaidade criamos verdadeiras pinturas de efémeros paraísos.
Apenas quimeras.
Nunca, por mais que tentemos, seremos Senhores de nós. Obreiros de luz e de estrelas.
A vida, essa, é estrada silenciosa que nos abriga da tempestade que em nós silenciamos
É a água que nos purifica quando nos permitimos a humildade.
És tu e eu quando fazemos o nada que é tudo para acontecer.


Isaura Maria Sousa
29 março de 2016


sexta-feira, 29 de janeiro de 2016


Há na paisagem o frio que permanece na terra
Um fumo invisível que nos persegue a par.
As estradas rompem na planicie e alvejam um mar qualquer
Um mar sem fundo e sem fim
Extensão deste querer incansável de almejar um destino.
De frias manhãs e densas florestas que envolvem, num retiro seguro e é aconchego.

Isaura M. Sousa
29 janeiro de 2016





domingo, 29 de março de 2015

Gesto

Era como se o novelo fosse tecendo a roca
O fuso era o início do sol que se desenhava na boca ao sorrir
Nas mãos, as teias e os fios alegres brincavam aos dias felizes,
a surpresa da imagem e os indícios dos gestos
filtravam o brilho do linho e da luz.

Foi subindo o ardor, o sabor.
O trigo despenteado pelo vento deixava-se levar pela música azul e laranja.

Isaura M. Sousa

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Dias



A sério.
A religião dos dias e a transformação das cores.
A jeito de me pôr de fora, transpareço a claridade da raiz
A fenda rubra e a vertigem da flor.
Arde e é tarde para mim,
Babilónias e linhas
Árvores e rios e frios.
Os ares.
As faces e as mãos cheias de futuro.

Isaura M. Sousa

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Brilho

Não senti hoje ainda o perfume
Do rosto que é cera e arrefece
A água e o cristal.
Ajeito o olhar e sigo.
Só sinto a leveza, o silêncio e a tarde.
Céu.



Isaura M. Sousa



terça-feira, 23 de setembro de 2014

O teu nome



Milagres acontecem a menina mãe, 
o regaço amanhece e desfolha a flor
Perfeita.
Pura como a beleza da madrugada.

Nasce e amanhece livre, sempre!

Isaura Maria Sousa 

sábado, 30 de agosto de 2014

Casa

Há hoje uma luz.
Um sol.
Estranheza de tantos dias 
Luz e sol fogo e sementes de fervor.
Branco, etéreo e milagre.
É música o silêncio e viagens as ausências.
É uma luz de cal que dá sangue de vida.


Isaura M.Sousa

M. Rotko